Arquivo do mês: agosto 2012

Sufocando.

Primeiro sinto minha cabeça começar a pesar, pequenas agulhadas tomam conta do meu rosto, meus lábios estão formigando, meus olhos não conseguem ficar abertos por muito tempo sem que a dor me lembre de fecha-los.

Sinto cada milímetro do meu corpo ser anestesiado pouco a pouco, a sensação de liberdade que a água provoca me liberta, mas ao mesmo tempo me sinto acorrentada a dor de ser lentamente sufocada. Paro de pensar por um momento, me deixo ser sustentada pela imensidão úmida que me rodeia, a preocupação se esvai, a esperança timidamente se retira e finalmente me permito fazer parte daquilo.

Meu corpo começa a pesar, afundar como se um fio preso a mim estivesse sendo puxado insistentemente para baixo. Meus olhos automaticamente pousam ao local onde cai, a fenda que se abriu foi substituída por uma fina camada de gelo, selando qualquer tentativa de fuga, me sinto algemada, compactuada com algum tipo de situação em que eu não tive escolha.

Um fio de raciocínio lampeja em algum lugar da minha mente quase adormecida, finalmente me lembro de respirar e golpeio o ar com a sede de vida que ainda me resta. Meu quarto, minha cama, meu sonho, minhas escolhas. No fundo sempre sabemos quando estamos sonhando, mas muitas vezes precisamos sentir faltar o ar para acordarmos.Imagem

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Cada erro, um acerto.

Nem sempre acertamos de primeira quando tentamos algo novo, não deveríamos esquecer disso, afinal, quem conseguiu amarrar os sapatos na primeira tentativa?. Quem conseguiu assobiar ou soltar a primeira bolha de sabão com um só sopro?. Não conheço quem tenha começado a andar de bicicleta sem rodinhas na primeira pedalada, quem tenha dito a primeira palavra corretamente ou quem tenha acertado de cara a primeira equação matemática.

Estendendo isso para a vida fica muito mais fácil transformar decepções em aprendizado, ninguém nasce sabendo, claro que existem exceções, há sempre quem tenha acertado algo de primeira, sorte ou aptidão?

Hoje consigo agradecer por cada erro que cometi, e até mesmo os que cometeram comigo, pelo menos sobram menos opções para os caminhos certos, pois a maioria dos errados eu já trilhei. Tenho uma noção boa do que eu quero para a minha vida, mas tenho a certeza absoluta do que eu não quero.

Levo comigo mais uma frase significativa: Cada erro, um acerto.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized